Semarh apoia mais uma expedição de monitoramento de aves migratórias

postado em: SBF | 0

O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave), gerido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), estuda e anilha aves migratórias há mais de 20 anos no país. Com o propósito de desenvolver ações coordenadas de pesquisa, monitoramento e proteção dos habitats críticos – aqueles prioritários para conservação de aves limícolas no Brasil com elevado grau de ameaça –, o ICMBio, em conjunto com diversas instituições, elaborou o Plano de Ação Nacional para Conservação das Aves Limícolas Migratórias – PAN Aves Limícolas Migratórias (conforme Instrução Normativa do ICMBio nº 25/2012) aprovado por meio da Portaria ICMBio nº 203/2013, contemplando 28 espécies. Em dezembro de 2013, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) firmou termo de cooperação com o Cemave em fornecer logística para realização de pesquisas científicas com as aves migratórias que ocorrem na Ilha da Sogra em Estância/SE.

Os habitats selecionados pelas aves migratórias ao longo de suas rotas são diversos e estão relacionados aos hábitos alimentares, disponibilidade de presas e táticas de obtenção de alimento de cada espécie. Devido à distribuição não contínua desses recursos, as espécies migrantes geralmente concentram-se em áreas específicas — que são de extrema importância para a sua sobrevivência. Nestes sítios as aves trocam suas penas, descansam e alimentam-se, renovando a energia necessária à viagem de retorno aos sítios reprodutivos.

Esse ano, durante os dias 19, 20 e 21 de fevereiro, foram realizadas observações em alto-mar, nas proximidades da Plataforma PCM11 e Plataforma Piranema Espirit, onde foram constatadas as presenças das aves Thalasseus eurygnatha e Sternna dougallii e Sternna hirundo respectivamente. A expedição visou coletar dados que possam contribuir na conservação destas espécies. Na ocasião estavam presentes o gestor da APA Litoral Sul de Sergipe, o biólogo Paulo César Umbelino; a Dra. Helen Hays e Dr. Joseph DiCostanzo, pesquisadores do Museu de História Natural de Nova Iorque que vem estudando o comportamento de Sternna dougallii e Sternna hirundo há mais de 50 anos em uma colônia de reprodução no Estado de Nova Iorque (EUA); os pesquisadores Dr. Pedro Cerqueira Lima, que estuda o comportamento destas espécies há mais de 20 anos, e Zildomar Souza Magalhães, ambos ornitólogos e anilhadores pelo CemaveE.

Dando prosseguimento à expedição também foi contemplado O Refúgio de Vida Silvestre (RVS) Mata do Junco em Capela com observações das aves que ocorrem por lá e foram constatadas as presenças da ave Pyriglena ata (rendeira dos olhos de fogo) (Lima, 2007), ameaçada de extinção; e Conopopha melanops nigrifrons subespécie ameaçada de extinção que ocorre nos Estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e no litoral Norte da Bahia (Lima et al 2005), contando com a presença do superintendente do Superintendência de Biodiversidade e Florestas, Elísio Marinho, e a gestora da referida Unidade, Augusta Barbosa.

Para os pesquisadores existe a necessidade de ampliação dos estudos dentro da Plataforma Piranema Spirit, que pretendem retornar em novembro desse ano em nossa capital e contam com a valiosa contribuição da Secretaria do de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe.