Governo assegura continuidade do Programa Pró-Catadores

postado em: Outras Notícias, SBF, SQS | 0
Na manhã desta quarta-feira, 10, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) provocou uma reunião com o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), em Brasília/DF. Na Subsecretaria Nacional de Economia Solidária (Senaes), tratou-se do repasse da segunda parcela do convênio do Programa Pró-Catador, que busca a inclusão socioambiental dos catadores das cooperativas em Sergipe.
“Um dos nossos objetivos no estado é resolver os problemas dos lixões a céu aberto. O Programa Pró-Catador lida diretamente com as pessoas que trabalham nesses lixões. Nós estamos buscando investimentos para as cooperativas e associações dos catadores, buscando comprar equipamentos para serem usados nos galpões de triagem, que será o novo ambiente de trabalho deles”, explicou Olivier Chagas, gestor da Semarh.
O encontro foi dirigido por Loureço Pereira Pinto Neto, coordenador geral de Credito e Finanças Solidárias; Marli Bianna do Nascimento Nunes, gestora de convênio; e Miguel de Souza Lima Filho analista técnico da Senaes. Durante a reunião, o processo foi aprovado e foi estabelecido o compromisso para que o repasse seja efetuado o mais breve possível. Desta forma, o Programa será retomado, inclusive com previsão para uma terceira etapa.
“Ficamos felizes em perceber que o Pró-Catadores terá continuidade em sua segunda fase. O consórcio da Grande Aracaju, também contemplado pelo projeto, continuará sendo beneficiado. Mesmo os municípios da região que não são consorciados, estão incluídos no Programa. A nossa expectativa é de melhoria no cenário de resíduos sólidos em Sergipe”, ponderou Evaldino Calazans, superintendente do Consórcio de Resíduos Sólidos da Grande Aracaju.

Também participaram da reunião o diretor de Finanças da Semarh, Marcelo Barberino; a superintendente da SQS, Elane Alvarenga; e os superintendentes dos consórcios de resíduos sólidos do Agreste Central, Baixo São Francisco e Sul e Centro Sul – Caio Marcelo, Mário Rosa e Edvaldo Ribeiro, respectivamente.