Semarh participa da III Conferência Estadual Infantojuvenil pelo Meio Ambiente

postado em: SQS | 0

O secretário de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), Olivier Chagas, participou na manhã desta quarta-feira (16), da abertura da III Conferência Estadual Infantojuvenil pelo Meio Ambiente. O evento, que ocorre durante todo o dia na Universidade Federal de Sergipe (UFS), em São Cristóvão, é uma iniciativa dos ministérios da Educação e do Meio Ambiente, com a coordenação executiva da Secretaria de Estado da Educação, em parceria com a Semarh.

Com o tema “Vamos Cuidar do Brasil Cuidando das Águas de Sergipe", a Conferência é realizada por adesão espontânea de alunos das escolas públicas e privadas, representando um marco na política de Educação Ambiental do País.

Durante o evento, serão escolhidos 15 delegados, entre adolescentes de 11 e 14 anos, sendo que três deles têm cadeira cativa, um da comunidade indígena, representado pela Escola Indígena Estadual Dom José Brandão de Castro; um da comunidade quilombola, da Escola Quilombola 27 de Maio; e um da Escola de Assentamento Rural Nossa Senhora Santana, localizada em Pacatuba. Os selecionados irão participar, em Brasília, da etapa nacional que ocorrerá entre os dias 15 e 19 de junho.

Na avaliação do secretário Olivier Chagas, a Conferência tem importância estratégica. “Quero parabenizar a Secretaria de Estado da Educação, a força principal da realização desse evento, um evento de base, que começa na escola, depois uma progressão até se chegar a essa Conferência, que antecede a nacional. Estamos aqui como colaboradores e também dizer que compreendemos que a base para solução ambiental é a educação”, destacou.

Ainda conforme o gestor da Semarh, não adianta, em hipótese alguma, ter qualquer política eficiente de meio ambiente por parte do Estado, no sentido de promover reflorestamento, de cuidar dos resíduos sólidos e dos recursos hídricos, se a sociedade não for parceira. “Porque a sociedade é fundamental para que, na qualidade de primeira interessada, ela possa cobrar um meio ambiente saudável e equilibrado, mas ela tem também de ser colaboradora, porque, senão, o Estado vai reflorestar e a sociedade vai desmatar. Uma ação como essa, voltada para a educação ambiental, onde a gente está plantando a semente na juventude, tem um poder incrível de transmissão dentro de suas famílias”, afirmou.

Opinião semelhante tem a professora Ana Lúcia Lima, a qual representou o secretário de Estado da Educação, Josué Modesto Subrinho. “É muito importante envolver crianças e jovens já com esse protagonismo de criar alternativas para o meio ambiente. Estudei na UFS e participei de vários projetos de pesquisa relacionados à água. E o tema dessa Conferência tem a ver com a preservação das águas sergipanas. Fico até emocionada em saber que os alunos estão pensando nessa temática”, frisou.

O pró-reitor da UFS, Mário Adriano, ressaltou que os projetos desenvolvidos pelos alunos serão lembrados no futuro. “É uma honra receber essa Conferência. Estamos falando hoje de um assunto de futuro, o que vamos deixar de herança para os nossos filhos e netos. Os projetos que sairão daqui serão extremamente importantes para traçarmos mecanismos de como devemos preservar a água, tão importante para os seres vivos”, asseverou.

O professor Lício Valério ministrou palestra sobre os cuidados com a água. Segundo ele, a proposta é trazer um cenário das águas sergipanas e os cuidados que devem ser tomados para que esse bem, escasso, continue existindo. “Apresentamos algumas alternativas, desde o comportamento individual até o coletivo, passando pelo uso da água residencial, pela água industrial e na agricultura, até porque a escassez dos recursos hídricos tem que ser pensada urgentemente, por todos nós”, alertou.

XI Olimpíada Ambiental

Presente ao evento, a superintendente de Qualidade e Educação Ambiental da Semarh (SQS), Elane Alvarenga, enalteceu o papel da Conferência e realizou o lançamento oficial da XI Olimpíada Ambiental, cuja solenidade de abertura será no próximo dia 5 de junho e tem como tema: “Soluções naturais para a água, caminhos para construção de uma sociedade sustentável”.

“A Conferência é muito importante, porque ela tem como princípio fundamental o protagonismo do jovem. Já a Olimpíada é um projeto desenvolvido pela Semarh, de cunho socioeducativo, criado em 2007, que objetiva estimular os atores envolvidos, alunos e professores das redes públicas de ensino e de escolas particulares, a refletirem de forma crítica as questões relacionadas aos problemas do meio ambiente, principalmente no que diz respeito à preservação da água”, enfatizou.

Exemplo

Waldson Costa participou como aluno da 1ª Conferência em 2002. Hoje, já formado, ele é um dos organizadores da Conferência Estadual e já fez parte do movimento Coletivo Jovem do Meio Ambiente, o que lhe deu credencial para participar de inúmeras conferências nacionais como delegado. “É extremamente necessário os alunos participarem dessas discussões ambientais para que se crie um protagonismo estudantil, possíveis novas lideranças, pessoas que atuam nessa área. É preciso haver necessidade de percepção sobre esse tema dentro da escola e a necessidade de se trabalhar temas específicos de forma interdisciplinar. A Conferência é um processo participativo dentro desse contexto e traz uma representação em nível nacional do que é o Estado”, explica.

Tamires Santos Batista, de 14 anos, é aluna do 9º ano da Escola Municipal Dom José Thomaz, de Itabaiana. Ela disse que também quer seguir o mesmo exemplo de Waldson. “Estou aqui porque acredito na ação do homem para preservar o planeta, a água que nós bebemos. Acho muito importante esse tipo de conferência. É um grande aprendizado”, avalia.

A Conferência

A Conferência é um processo pedagógico, dinâmico, de diálogos e encontros, voltado para a valorização da cidadania ambiental nas escolas e comunidades a partir da educação ambiental crítica, participativa, democrática e transformadora. Ela se caracteriza como um processo dinâmico de encontros e diálogos, para debater temas propostos, deliberar coletivamente e escolher os representantes que levarão as ideias consensuadas para as etapas sucessivas.

Fotos: Edinaldo Nascimento/Semarh